atelier terrarosa
flavia.jpg

tempo

 
 

Aqui o tempo passa devagar...

 
DSCF3043.jpg

A frase oficial do atelier, que dá titulo a este texto, não existe à toa. Este projeto nasceu, precisamente, como uma maneira de reunificar pessoas e tempo; relembrar aquilo que foi perdido em alguma curva do nosso caminho: ter a confiança espelhada na natureza, que, sábia, reconhece que cada flor tem sua hora de florescer.

Terrarosa é a expressão desta máxima. Uma terra fértil e viva, terreno de possibilidades infinitas; um berço amoroso de criatividade. Nela brota o que o vento – ou a vida – carregar. Basta regar com amor e um bocado de paciência.

Da semente das ideias, brotam as flores da criação. São flores singelas, simples como aquelas de beira de estrada. Cada um vê nelas o que quer, e, ao mesmo tempo, a si mesmo. São o que são.

Mas como unir o mundo prático a algo tão sutil? Os prazos existem, as datas, os quereres, as urgências. Bom, talvez tudo isso exista mais em nossa mente, destreinada para aceitar que o controle não é nosso. A resposta foi esta: tempo. 

O trabalho proposto aqui é, certamente, um tanto diferente do usual. Quase uma afronta à correria da qual viramos cegos escravos. Mas aqui, não se faz tudo. Não há tempo para tudo. Esta é a parte vazia do copo.

A parte cheia é que, o que quer se faça, é feito de alma e coração. É feito de maneira gentil e afetuosa, com respeito e presença. O que não quer dizer que não haja correria, mas até ela tem seu ponto de calma. Já ouviu falar da calmaria no olho do furacão? É aquele respirar mais profundo, que subitamente limpa, acalma.

Assim, o propósito da Terrarosa é, acima de tudo, ser um lugar de florescimento, seja ele de ideias, de pessoas, de relações, ou de amor. Um lugar de pausa, um abrigo de tudo que corre sem ver lá fora. Promover encontros, aprendizados. Aqui, entende-se que não há ponto final, e que o intuito é o processo – processo este que transforma o papel num condutor de calma e delicadeza para onde quer que ele vá, seja num simples recado de 'obrigada' ou ao estampar na parede um lembrete pra não se esquecer de respirar.

Afinal, a vida é uma, não é fragmentada. O trabalho, as amizades, a busca por algo maior – quem é que divide tudo isso? A vida é a vida: abundante, generosa. Só precisamos lembrar que ela já é o próprio caminho para o amor, sempre.

Portanto, bem-vindo a esta terra de tempo sem fim… onde todo florescer é espontâneo, e onde o vento sussurra a cada momento o aqui e agora. 

Este é um lugar de Ser, para melhor fazer.